A plataforma BitTorrent facilitou o compartilhamento de grandes arquivos ao tornar possível que pedaços deles fossem distribuídos a partir dos próprios computadores de usuários que os haviam baixado – reduzindo a sobrecarga do servidor original com hospedagem e transferência de dados.

Logo, tornou-se a principal plataforma de compartilhamento ilegal dos pesados arquivos de filmes e e séries de TV. Trata-se, porém, de uma solução que pode ser bastante útil para outros fins. Dois exemplos surgiram esta semana na Web. Confira:

Mapa estelar: Um programador chamado Charlie Hoey tornou disponível na Web uma navegador em 3D por mais de duas milhões de estrelas, a partir de dados reais. Ele utilizou uma ferramenta complementar chamada WebTorrent para manipular gigantescos arquivos da com dados do satélite Gaia, da Agência Espacial Europeia. Em breve, será possível utilizar óculos de realidade virtual. Veja a demonstração neste vídeo;

Hospedagem de sites: já o projeto Web2Web tem por objetivo tornar possível com que sites inteiros sejam armazenados não em um único servidor, mas distribuídos em “torrents”. Segundo os autores, as páginas ficariam até mesmo mais seguras, justamente não não ficarem centralizadas.